Carregando..
Rede Cidadã: mais de 94.000 pessoas inseridas no mundo do trabalho. Certificada Cebas.
Rede Cidadã Rede Cidadã 18 anos, Brasil, Argentina, Colômbia, Peru, México, EUA
Conteúdo acessível em libras usando o VLibras Widget com opções dos Avatares Ícaro ou Hozana.
Contrate agora

Rede Cidadã - Justiça proíbe empresa de oferecer falsas vagas de emprego

Justiça proíbe empresa de oferecer falsas vagas de emprego

24 jan 2018

O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Minas Gerais conseguiu junto à Justiça do Trabalho uma liminar em uma Ação Civil Pública (ACP) proibindo a Proven Cursos Profissionalizantes Ltda e outras empresas do mesmo grupo de cobrar uma taxa de adolescentes ou seus responsáveis, com a promessa de encaminhamento para vagas no mercado de trabalho.

Com a decisão, a empresa não pode contatar possíveis clientes, prometendo ou sugerindo emprego, inclusive destinadas a aprendizagem ou estágio. Em caso de descumprimento de cada ordem, os réus estão sujeitos a pagar uma multa de R$ 1 mil.

Após denúncia do Fórum de Erradicação e Combate ao Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente (FECTIPA/MG), do qual a Rede Cidadã faz parte, o MPT instaurou investigação contra várias empresas que atraíam adolescentes dentro ou perto de escolas públicas e ofereciam falsas oportunidades no mercado de trabalho.

Conforme a procuradora do Trabalho Luciana Marques Coutinho, as vítimas e suas respectivas famílias, especialmente aquelas de baixa renda, eram enganadas pelos investigados, que promoviam “seleção”, “entrevista” para as supostas vagas de trabalho, cobrando pelo serviço.

A oferta de falsa oportunidade de trabalho, constituía, na verdade, também um chamariz para que os jovens e suas famílias adquirissem cursos. “As vítimas acabavam se endividando com cursos de qualidade duvidosa, supostamente ‘profissionalizantes’, para potencializar as chances do adolescente no mercado. Infelizmente, percebo que essas empresas fraudadoras estão proliferando, surfando no desespero das famílias já tão empobrecidas”, destacou a procuradora.

Luciana Coutinho explicou ainda quais são as justificativas para o ajuizamento da ACP. “Os fundamentos estão principalmente no agenciamento oneroso do trabalhador para inserção no mercado, apologia ao trabalho infantil (já que alguns adolescentes sequer têm idade nem para a aprendizagem) e lesão aos empregados das fraudadoras”.

Além do Grupo Proven, outras empresas estão sendo investigadas e também serão acionadas, caso seja comprovado que elas estejam adotando as mesmas práticas. O MPT também apoiou a criação de uma cartilha, produzida pelo Fectipa e Rede Cidadã, que informa os adolescentes e alerta sobre a conduta dessas empresas.